terça-feira, 28 de julho de 2015

Inclusão na Biblioteca


Por Givanilda Maria - Bibliotecária CRB 8/9619
A biblioteca é um espaço para ser usado não só para leitura, é uma ferramenta para a disseminação da cultura, e que está aberto a todos de forma ampla, um espaço de compartilhar e aprender coisas novas. 
Sendo um espaço público e aberto a todos de forma igual, ou seja, desde aquele usuário que vem apenas para ler o seu jornal, até o que vem para uma pesquisa mais científica, a biblioteca tem que estar apta a recebê-los. Não só com um bom atendimento, mas também com um espaço físico adequado, e com materiais que atendam a pesquisa e também com o suporte apropriado para cada usuário. 
Hoje, vamos falar de inclusão dentro da biblioteca. Nos dias atuais, se ouve o tempo todo sobre inclusão. Sendo assim, a biblioteca não pode ficar de fora dessa realidade. Quando se pensa em inclusão, o que nos vem à mente são as pessoas com restrição de mobilidade - um exemplo são os cadeirantes. 
No universo da biblioteca, esse tema “inclusão" deve ser ampliado, começando desde o lugar onde será implantada, que seja de fácil acesso, da altura dos móveis, a localização e o espaço entre as estantes, as entradas e saídas da biblioteca, pensando sempre que nosso público é diverso. 
O acervo também precisa ser pensado, deve conter livros específicos para cada público. A biblioteca deve contar com materiais em vários suportes. Contar com DVD's, com Audiobooks, livros em braile, jogos que ajudam no aprendizado. Pensar na inclusão dentro da biblioteca, por exemplo uma escolar, é ter o cuidado de conhecer os alunos que precisam de suportes diferenciados. Um exemplo seria um aluno cego, o acervo deve contar com livros em braille, ou um aluno com dificuldade de mobilidade, enfim, esses precisam ser atendidos de forma que não se sintam excluídos desse universo. 
O papel da biblioteca é de ser um ambiente acolhedor, agradável, que consiga receber a todos de forma igual. Para isso, o bibliotecário deve sempre estar atento, com o público que atende. 

"Nós não devemos deixar que as incapacidades das pessoas nos impossibilitem de reconhecer as suas habilidades." Hallahan e Kauffman, 1994.

Fonte: verticebooks